Tuesday, April 24, 2007

Campanha - 62o. dia (final)

A gigantesca porta acabara de se fechar magicamente. Dalamar e Tabasco não paravam de pensar na Lanterna que havia sido lançada para o meio da névoa petrificante, e se haveria alguma maneira de recuperá-la. Gillian só pensava em voltar para o esconderijo, e esquecer da Lanterna. E Otto olhava para a figura petrificada de Grumsh, e pensando se seria possível arrastá-lo dali. Aquele ser petrificado deveria, agora, estar pesando quase uma tonelada, e arrastá-lo não seria fácil.

De repente, Dalamar-kobold para e tem uma idéia. Uma criatura de pedra não pode ser petrificada! Ainda sob o efeito da magia que o tornava mais inteligente, ele volta-se para a gigantesca porta, a toca, e novamente ouve-se o estrondo da porta se abrindo. Após aberta, a porta demora um minuto para se fechar sozinha novamente. Durante este tempo, Dalamar se prepara e começa a entoar algumas palavras mágicas. Após alguns instantes, logo a sua frente, entre ele e a gigantesca entrada do salão, começa a se formar uma figura já conhecida de todos. E aquela figura, inicialmente translucida, e sem forma, vai ganhando consistência e detalhes, e alguns breves instantes depois, já inteiramente formado, está Kradoreanwush, o Thoqqua Pseudo-natural, uma criatura de pedra e fogo. Instantaneamente após estar completamente formado, já sabendo o motivo pelo qual está ali, Kradoreanwush entra na sala em busca da Lanterna. Passam-se alguns instantes, e então ele retorna com a Lanterna em um dos seus tentáculos pseudo-naturais. Mesmo com a grande intensidade do calor emitido pelo corpo incandescente de Kradoreanwush, a Lanterna retorna intacta, e o mais impressionante, está fria como se nem estivesse passado perto de nenhuma fonte de calor. Após cumprir sua missão, o Thoqqua desaparece, retornando para o seu plano de origem.

Thoqqua. Para a versão pseudonatural, acrescente alguns
tentáculos em posições aleatórias, algumas imperfeições
em formas de bolha,e vários olhos aparecendo e
desaparecendo aleatóriamentepor todo o corpo,
e qualquer outro detalhe que o faça ficar mais bizarro.

A Lanterna do Sacrifício havia sido recuperada. Gillian, mesmo revoltada, sentiu-se um pouco aliviada de ter a Lanterna novamente, mas agora ahvia o problema de como levar Grumsh de volta até o esconderijo do grupo, para que futuramente pudesse retornar a sua forma de carne e osso. Empurrá-lo até lá não seria uma tarefa fácil, mas então Dalamar tem uma nova idéia. Se a estátua for coberta de óleo, ela vai deslizar facilmente até o esconderijo, e Dalamar sabe exatamente como fazê-lo. Novamente, começa a entoar um encantamento, e não mais que de repente, cobrindo toda a estátua, aparece uma fina camada de sebo. Sem esperar demais, Gillian e Tabasco, que mesmo com a pequena estatura, são os que conseguem se mover mais rapidamente no grupo, começam a empurrar a estátua, sem muito esforço mesmo para eles, em direção ao seu distante esconderijo, há alguns poucos quilômetros dali. Durante o trajeto, Dalamar utiliza a mesma magia algumas outras vezes, já que o efeito do sebo demora pouco mais de um minuto para passar.

No caminho, pouco antes do esconderijo do grupo, existe uma fonte mágica que costuma curar quem mergulha em suas águas. O grupo se lembrando disso, imagina que talvez o poder da fonte consiga curar a mão petrificada de Gillian, a parte escondida de Tabasco que também foi petrificada, e mesmo Grumsh. Dalamar já quase sem energia mágica alguma, Otto que agora era quem empurrava a estátua de Grumsh, Gillian e Tabasco, param no meio de um outro corredor, este agora de 6m de largura, e que tirando alguns pequenos besouros, aranhas, centopéias, e outros pequenos artrópodes (pequenos = 15 a 30 cm) está praticamente vazio. Logo a frente do corredor, há uma entrada a esquerda para um complexo de cavernas, de onde vêm essas "pequenas" criaturas, e onde também fica o escoderijo do grupo. O grupo para sem intenção de avançar. Tabasco, Gillian e Dalamar começam a vasculhar a parede logo a esquerda deles, e alguns instantes depois, a parede do corredor se abre numa sala secreta. Além da porta um novo corredor, bem mais curto, e alguns metros além da porta, ele se abre numa ante-sala iluminada, além da ante-sala uma grande piscina de águas límpidas, que parecem fluir da parede oposta à piscina. O grupo dirige-se a piscina, com Otto empurrando Grumsh, ainda sob o efeito da cobertura de sebo mágica.

Gillian receosa devido a um fato isolado ocorrido há algum tempo atrás quando usaram estas mesmas águas para se curar, resolveu esperar um pouco antes de entrar na piscina. Tabasco, entretanto, não pensou muito, tirou sua mochila das costas e pulou na água. E após um mergulho, volta sorridente, dizendo que não é mais um eunuco. Gillian, percebendo o resultado no sobrinho, resolve entrar vagarosamente na água, e então mergulha. Sua mão petrificada havia voltado ao normal. Todos percebendo o resultado, discutem um pouco, e após amarrar uma corda na estátua de Grumsh, o empurram para dentro da piscina. A estátua vai descendo, descendo, descendo até encostar no chão da piscina aproximadamente 6m abaixo do nível da água. Algum tempo se passa e a água milagrosa não parece funcionar com Grumsh. Alguns tentam puxar Grumsh com a corda, mas a estátua é pesada demais, e então desistem e resolvem terminar a caminhada até o esconderijo nas cavernas.

(Futuramente, caso Grumsh não seja transformado novamente numa criatura de carne e osso, ele será conhecido com o Santo Orc, ou São Grumsh, o Orc Milagroso, devido aos muitos milagres de cura que vai reproduzir submerso naquelas águas. E então uma nova religião surgirá! Talvez ele se torne um Deus um dia. :P)

O grupo termina o restante da caminhada pelas cavernas dos insetos, e aracnídeos, sem maiores problemas. Coleta alguma dessas criaturinhas para o jantar. Alguns destes bichinhos conseguem crescer até um tamanho um pouco maior. Alguns besouros chegam a ter uns 60m de altura, outros poucos crescem até o tamanho de um cavalo, e o mesmo acontece com as aranhas, escorpiões e centopéias que vivem nessa caverna. Infelizmente, devido à caça meramente esportiva e por diversão empreitada por este mesmo grupo há algumas semanas atrás, a maioria das criaturas maiores foi extinta, e atualmente só sobraram as pequenas. Eles então chegam a um grande salão no meio da caverna. Neste salão existe um grande lago, e devido ao frio do lugar, uma pequena camada de gelo já cobre toda a superfície do lago. Existem várias entradas, ou saídas deste salão. Duas delas, são próximas e são totalmente cobertas de teias. Ao se chegar perto de outra, nota-se a presença de vários ratos, alguns um pouco grandes, e um cheiro insuportável saindo de lá. Além dessas três, mas dois corredores próximos e praticamente paralelos, chegam ao salão. O grupo chega por um destes dois últimos corredores, contornam o lago no sentido horário, e param novamente em frente a uma das paredes do salão. Gillian após alguns breves instantes tateando a parede acha o mecanismo que abre a porta secreta que dá até o esconderijo do grupo, e todos entram.

A entrada do esconderijo é uma grande escadaria descendente, com 3m de largura. A escadaria se estende por 30 metros, descendo até uns 15 metros abaixo do nível da entrada. Após os 30m, o corredor vira 90 graus para a direita, e continua mais 25 m até uma porta de pedra. Além da porta abre-se uma ampla sala retangular, com uma pequena piscina oval de águas meio turvas em seu centro. Logo após a entrada da sala, cobrindo cada um dos dois cantos anteriores da sala, existem duas salas menores que são utilizadas como um depósito de ferramentas, e de outros itens mundanos. Do outro lado da sala, também cobrindo os dois outros cantos, existem dois quartos. Em um deles, atualmente dormem Otto e Tabasco. O outro serve de laboratório alquímico, e Dalamar dorme por lá. Além da sala, segue um pequeno corredor, que termina numa porta de metal. Além desta porta, onde antes havia um tesouro esquecido, e agora só resta um círculo mágico de invocação marcado no chão e um grande trono que se parece mais uma mesa, dorme Gillian, e também é onde o grupo guarda os tesouros e itens mágicos encontrados durante suas aventuras.

Durante alguns dias, o grupo permanece no escoderijo. Dalamar, após ter percebido que sua transformação em kobold não fora algo momentâneo, resolve se esforçar ao máximo para descobrir uma maneira de voltar à sua forma anterior, e passa os dias estudando e desenvolvendo novas fórmulas mágicas. Gillian e Tabasco, iniciando o caminho nas artes arcanas, também devotam alguns dias para estudar e aprender novas técnicas mágicas. Otto, que adoro cavar túneis, e construir coisas novas, pensa em ampliar as dependências atuais do grupo e construir um novo quarto.

Cinco dias se passam, e no 67o. dia...

(continua)

1 comment:

Tabasco said...

E no 67º dia...lá vem merda!!!

Aguardem...

/me Aliviado por não ser eunuco mais... \o/