Monday, April 23, 2007

Campanha - 62o. dia

62º. Dia

Nos últimos minutos vários fatos desafortunados haviam ocorrido.

Dalamar, tentando abrir a gigantesca porta negra para o Salão do Avatar, recita as palavras mágicas de um encantamento para aumentar sua inteligência, mas algo sai errado, e ao invés de se tornar mais inteligente, foi transformado num pequeno kobold. Aparentemente, sem dar muita importância ao fato, imaginando que logo o efeito errado seria revertido, ele tenta utilizar do mesmo encantamento novamente, e desta vez a magia funciona e o deixa mais inteligente. Inteligente o suficiente para que a gigantesca porta pudesse ser aberta.

A porta se abre, revelando um salão coberto por uma névoa púrpura, cobrindo toda a sala até uma altura além da altura da porta (que tem aproximadamente 12 m de altura por 6 m de largura). Estranhamente esta névoa parece não escorrer pelo chão do corredor que dá para a porta, de modo a formar algo como uma grande parede gasosa logo a frente da porta. Relembrando a última visita ao mesmo Salão alguns dia atrás, quando a mesma névoa se abriu, após a porta ter sido aberta, revelando um caminho atravessando o salão em direção ao Altar do Avatar, no alto de uma pirâmide, Gillian e Tabasco resolvem adentrar na névoa levando consigo a Lanterna do Sacrifício. Logo após começarem a penetrar na névoa, ambos têm uma sensação estranha, e no mesmo instante resolvem recuar de volta a entrada do salão. Infelizmente, o contato com a névoa já havia sido o suficiente para deixar sequelas. Ambos sentem o corpo endurecendo, e ficando mais lento. Tabasco, reagindo mais rápido ao fato, recua logo, e aparentemente sofrer efeito algum da névoa. Gillian, por sua vez, reage um pouco mais lentamente que Tabasco, e ao sair do salão percebe que uma de suas mãos está petrificada. Ao perceber o que acabara de ocorrer com sua tia, Tabasco percebe que algo entre suas pernas acabou sendo petrificado também, e tem uma sensação não muito agradável com isso.

Sabendo que a névoa só cobre a parte inferior da sala, após relembrarem a última vez que estiveram aqui, todos convencem Grumsh (o bárbaro orc), o que tem mais chance de resistir ao efeito da petrificação, a entrar no Salão. Para isso Dalamar, ainda em forma de kobold, recita outra encantamento e faz com que Grumsh possa voar. Grumsh, após ser amarrado com uma corda, deve subir o mais rápido possível dentro da sala, e sobrevoá-la acima da névoa. Grumsh, respira fundo, e entra rapidamente já indo em direção ao alto da sala. Infelizmente, mesmo com toda sua fortitude, foi impossível resistir aos efeitos da névoa. Após alguns segundo depois de sua entrada, ouve-se um estrondo dentro da sala. Todos puxam a corda que estava amarrada ao redor da cintura de Grumsh, e no final da corda, onde momentos atrás havia um grande orc mal-humorado segurando uma Lanterna, havia uma estátua de um grande orc mal-humorado segurando uma Lanterna, intacta por sinal.

Revoltada com toda a situação - a Lanterna que deveria ser um poderoso artefato, e não parece servir para nada; o Avatar que deveria aparecer novamente depois da Lanterna ter sido encontrada, e que não apareceu; o desaparecimento de Isamel, que parece ter sido sugada para dentro da Lanterna; as mortes de Koga e Adrian durante as buscas pela Lanterna, e finalmente a petrificação de Grumsh ao tentar entrar no Salão do Avatar, e encontrá-lo perto de seu Altar - Gillian joga a Lanterna para dentro do salão, blasfemando contra a figura do Avatar e sua "imensa" sabedoria. "Toma a Lanterna, velho desgraçado!" - foram suas palavras. Tabasco assustado com a ação impensada da tia, tenta em vão "pescar" a Lanterna com uma corda. Após algumas tentativas, desiste.

Sem a Lanterna e com Grumsh petrificado, o restante do grupo, Gillian (maneta - com uma das mãos petrificadas), Tabasco (eunuco), Dalamar ainda em forma de kobold, e Otto (manco) encontram-se no final do grande corredor, com a Gigantesca Porta Metálica e Negra acabando à suas costas...

(continua)

Personagens:

- Gillian: a jovem tia de Tabasco, uma pequena halfling ladina que andou aprendendo alguns encantamentos, adora colecionar pequenas pedrinhas preciosas e coloridas. Um pouco impulsiva e agora com uma mão petrificada.

- Tabasco: sobrinho de Gillian, pequeno halfling ladino, agora eunuco, que sempre copia a tia, e resolveu aprender algumas magias também. Mas ao contrário da tia, gosta é de jogar pedras e outros objetos pontiagudo e afiados nos outros. Um pouco vingativo e também gosta de colecionar itens pertencentes a outras pessoas.

- Dalamar: o único mago do grupo após a morte de Adrian, e do desaparecimento de Isamel. Um humano cheio de pose, que adora poder e conhecimento e sempre dava em cima das mulheres bonitas que encontrava, e que por um evento desafortunado foi transformado num kobold (uma criatura humanóide pequena, mais parecida com uma lagartixa gigante).


Um simpático kobold!

- Otto: a único guerreiro do grupo, após a petrificação de Grumsh. Após cair de um precipício, dentro de um rio de águas geladas, e sobreviver, voltou alguns dias depois ainda manco para a surpresa de todos, que pensavam que tinha virado comida de monstro alienígena lovercraftiano aquático. Humano e adora cavar tunéis!

- Grumsh: Grande Bárbaro Orc em forma de estátua.

- Isamel: Antiga maga tanque de guerra do grupo, que por um infortùnio foi sugada pela Lanterna, e agora se encontra em algum lugar (???). Faz parte de uma raça de descendentes de criaturas feéricas.

- Adrian: Humano. Antigo mago band-aid do grupo que foi morto após se derrotar algumas criaturas de gelo gigantes, e que explodiram antes de serem destruídas. Infelizmente, Adrian estava no caminho dos estilhaços de gelo, e foi totalmente perfurado. Como era o único band-aid do grupo, não foi possível reverter sua transformação em peneira.

- Koga: Humano, oriental, ninja, frágil. Morreu no mesmo tipo de explosão após enfrentar o mesmo tipo de criaturas que matou Adrian.

Local:

Ruínas subterrâneas do que um dia parece ter sido uma grande fortaleza ou uma grande cidade de uma raça reptiliana altamente avançada já extinta. No centro das ruínas existe um Monolito de dimensões colossais, totalmente coberto por uma escrita indecifrável, e que parece fluir com o tempo. O local parece ser totalmente controlado por magia, e espalhados por ele existem vários aparatos mágicos: pontes de energia mágica, gigantescas esferas luminosas flutuantes, gigantescas portas intransponíveis, sistema de filtragem de água, regulagem de temperatura interno, e etc... Atualmente algumas pessoas vivem dentro deste complexo. Devido ao fator comum de que todos que chegam ao lugar, chegam com as mentes apagadas, as três comunidades "humanas" do lugar são chamadas de Amnésia, Oblívia e Forget. Praticamente só humanos vivem nas cidades, sendo que Oblívia era a maior delas, com aproximadamente 400 habitantes, a maioria humanos, e alguns orcs, anôes, halflings e meio-elfos entre eles. Amnésia era a menor das comunidades humanas, com algo em torno de 50 pessoas vivendo dentro de seus limites. Existe uma comunidade de kobolds, muito hostil vivendo dentro das ruínas também, e havia uma comunidade de goblins vizinha a comunidade dos kobolds que foi totalmente tomada, e dizimada pelos kobolds há algum tempo atrás.

Atualmente, Amnésia não existe mais. Os habitantes de Forget foram transformados em mortos vivos, e dos 400 habitantes de Oblívia, apenas algo em torno de 70 estão vivos.

Algumas lendas e rumores mencionavam outros níveis dentro das ruínas, mas eram só especulações. Atualmente já se sabe que existem outros 7 níveis dentro deste complexo, e este é apenas o nível superior. Infelizmente a entrada, ou entradas, para o 2o. nível ainda é desconhecida.

Gillian, Tabasco, Dalamar, Otto e Grumsh chegaram com as mentes totalmente apagadas a este lugar a 62 dias atrás. Isamel chegou alguns dias depois com a mente também apagada. E desde então eles buscam uma maneira de sair do local, que parece ser hermeticamente fechado. Há alguns dias atrás, ao encontrarem o Avatar pela primeira vez, o Avatar disse que eles deveriam encontrar 8 artefatos de imenso poder, cada um deles está em um dos 8 níveis do complexo. Estes 8 artefatos foram utilizados há milhares de anos atrás para prender um PODEROSO DEUS MALIGNO dentro deste complexo, e atualmente o poder destes artefatos tem ficada cada vez mais fraco, enquanto o poder deste DEUS está ficando cada vez mais forte, mas ainda não forte o suficiente para se libertar. Os 8 artefatos devem ser recarregados de alguma maneira, e só após isto acontecer é que eles poderão encontrar uma saída do complexo. O Avatar ainda disse que o tal complexo onde todos se encontram um dia foi um Posto Avançado de uma Raça Reptiliana muito evoluída, mas que desapareceu há muitos milhares de anos atrás, muitos milhares de anos mesmo da época em que o tal DEUS foi aprisionado ali.

O que é isto?

Os fatos relatados aqui são os fatos que ocorreram no finalzinho de uma das últimas sessões do jogo de RPG que eu estou mestrando. Prentendo continuar relatando as últimas sessões de jogo aqui, até a época da minha viagem. Durante o tempo que eu estiver nos EEUU, o jogo permanecerá paralizado, mas assim que eu voltar de lá, e reunir novamente meus jogadores, eu volto a mestrar de onde parou. É uma forma de eu não me perder na minha própria estória! Os fatos que ocorreram nos primeiros 61 dias, talvez sejam relatados um dia, mas não é o meu objetivo, por enquanto.

E a estória continua... Logo!

1 comment:

Tabasco said...

Eunuco o caramba!!! Já tá tudo normal... *ufa*